Jornal Folha Popular
Image default
Destaque da Semana Questões Raciais

“Silenciamos o racismo”

O povo de santo disse não ao racismo, na manhã da ultima quinta-feira (08), num ato político realizado no fórum criminal de Lauro de Freitas, durante audiência que julgaria o primeiro caso de intolerância religiosa na cidade.

Pais e mães de santo, oriundos de diversos bairros da cidade, se concentraram nas instalações do fórum, em solidariedade e apoio à comunidade do Ilê Oba L’Okê, terreiro de Candomblé liderado pelo babalorixá Vilson Caetano, vítima de ações racistas proferidas por morador que não admite a presença da comunidade religiosa no bairro.

Após mais de quatro anos de perseguição, finalmente a justiça resolveu julgar o processo de intolerância religiosa, aberto pela comunidade, contra o vizinho que insiste em disseminar o ódio religioso. Contudo, aconteceu o que muitos esperavam: o tão ativo e determinado vizinho, não teve coragem suficiente pra enfrentar a justiça e o povo de santo, unido, representado por pessoas e organizações do movimento social.

Ele recuou, entrou com pedido de suspensão do processo e, por conta disso, será obrigado a aceitar as condicionantes impostas pela justiça. Com essas medidas, o povo de santo entende que conseguirá barrar as ações odiosas e racistas dos que não conseguem conviver em harmonia com a sociedade.

 A Rede Jovem de Candomblé – Orooni, a União dos Negros Pela Igualdade – Unegro, a Federação do Culto Afro-brasileiro – Fenacab, a Associação Afro-Ameríndia – Afa e o Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial – CMPIR, afirmaram que a luta apenas começou, que ainda há muito o que fazer.

“Precisamos eliminar o racismo pela raiz; os intolerantes precisam ser retirados do meio social, pois são ameaça à tranquilidade e atentam contra a vida. A comunidade Oba L’Okê precisa ser indenizada por danos morais e exposição. Vamos até o fim”. Afirmou Taata Zaragosi, representante da Fenacab.

O babalorixá, Vilson Caetano, disse que quer poder abrir sua casa, cultuar os orixás e desenvolver, em paz, o trabalho social realizado pela associação. “Nós só queremos a garantia, constitucional, de poder professar nossa fé”.

Uma nova audiência será realizada no dia 16 de setembro. Representantes da Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade – Sepromi e da Superintendência Municipal de Promoção da Igualdade Racial – Supir, também presentes no ato, disseram que a seguirão, acompanhando o caso e prestando o apoio necessário à comunidade.


Por: Ricardo Andrade

Postagens Relacionadas

“Não é hora de criar nenhum tipo de conflito na sociedade”, afirma Maia sobre possível fim das cotas

Ricardo Andrade

Uso do canudinho de plástico será proibido em Lauro de Freitas

Ricardo Andrade

STF decide que decreto de Lula que regulamenta terras quilombolas é constitucional

Ricardo Andrade

Deixe Um Comentário

Este site usa cookies, para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia Mais...