Jornal Folha Popular
Image default
Cultura

Lauro de Freitas pode ficar sem São João por conta da situação de emergência

Em reunião emergencial realizada na tarde de ontem (17), o Conselho Municipal de Cultura se reuniu com a prefeita Moema Gramacho, para debater acerca do decreto que estabelece a situação de Emergência em Lauro de Freitas e que pode incidir diretamente sobre as atividades festivas e culturais na cidade.

A prefeita Moema Gramacho fez um resumo das consequências e dos estragos provocados pelas fortes chuvas que caíram na cidade nos dias 11 e 12 e que justificou a necessidade do decreto de emergência. Segundo a chefe de executivo, o município não dispõe dos recursos necessários para as intervenções imediatas que precisam ser realizadas nas áreas atingidas.

É importante compreender que a situação de Emergência é decretado quando o governo entende que o município está passando por uma situação de anormalidade, que foge da capacidade de administrar. Quando se decreta estado de emergência a máquina pública passa funcionar de forma especial. Recebe recursos do Estado e da União e os processos de contratação de serviços são desburocratizados, ou seja, o governo pode comprar e contratar bens e serviços com mais rapidez para atender a população. Na situação de emergência é possível comprar colchões sem necessariamente ter que abrir um processo licitatório, que dura algo de três meses. Nesse caso, o governo compra de forma emergencial, imediata.

O problema, contudo, está nas consequências negativas da situação de emergência pode trazer. Numa sociedade como a nossa, por exemplo, que não compreende o conceito de cultura, o estado de emergência pode trazer prejuízos incalculáveis à classe artística.

Instituições publicas de fiscalização como o Ministério Público e Tribunal de Contas, normalmente composto em sua maioria por pessoas que não convivem e que desconhecem o dia a dia das comunidades, podem compreender que manifestações culturais como o São João, não devem ser realizadas por conta da situação de emergia decretado pela prefeita.

O não entendimento de que a cultura é uma necessidade básica do ser humano é a comprovação de que algumas pessoas não enxergam outras, com a complexidade e amplitude de sua humanidade.

Se uma força tarefa é montada para atender uma comunidade como a que alagou em Portão, por exemplo, não vejo absurdo, nem descenso, que na composição da equipe, além dos agentes de segurança, saúde, defesa civil, bombeiros, assistência social e infraestrutura, esteja também os agentes de cultura.

Sem polícia pode haver saques, roubos e estupros. Sem a saúde, as pessoas podem ficar doentes, serem infectadas e provocar uma endemia. Sem bombeiros e a defesa cível, as pessoas não poderão ser resgatadas. Sem a infraestrutura não seria possível realizar as obras de drenagem e recuperação das ruas, assim como, sem o agente cultural não é possível combater a depressão e a desesperança. É a cultura que estabelecer a alegria, sentimento fundamental para o restabelecimento social.

A sociedade precisa entender que cultura não é demérito, não é algo menos importante, pois não faz sentido viver a vida, se ela não for regada à alegria. A manutenção do calendário cultural, depois de um desastre, é fundamental para uma sociedade que que vive e enfrenta problemas em seu cotidiano, seja em dias chuvosos ou não.

Viva o São João.

Por: Ricardo Andrade

Postagens Relacionadas

Vereadores se reúnem com representantes dos conselhos de Cultura e Igualdade Racial

Ricardo Andrade

Dupla Jorge e Mateus desembarca em Salvador para apresentação da turnê ‘Único’

Ricardo Andrade

Jovens de Candomblé debatem racismo ambiental e o futuro da religião

Ricardo Andrade

Deixe Um Comentário

Este site usa cookies, para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia Mais...