Jornal Folha Popular
Image default
Segurança

Cresce número de mulheres mortas por arma de fogo dentro de casa no Brasil

Cresceu o número de mulheres mortas dentro de casa no Brasil. E a arma de fogo foi o principal método usado para cometer esses assassinatos. Entre 2007 e 2017, o assassinato de mulheres por arma de fogo aumentou mais dentro do que fora de casa. No período, houve um aumento de aproximadamente 30% no número de homicídios de mulheres em ambiente doméstico com disparos de arma. Do lado de fora, o crescimento das mortes de mulheres por arma de fogo foi de 17,5%.

É o que indica o Atlas da Violência, relatório com dados de violência que abrangem o período de dez anos, entre 2007 e 2017. O estudo assinado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) foi divulgado nesta quarta-feira (5). Os dados são do Sistema de Informações sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde.

Sem citar diretamente decretos do presidente Jair Bolsonaro para flexibilizar o porte e a posse de arma de fogo, o estudo alerta que “considerando os altíssimos índices de violência doméstica que assolam o Brasil, a possibilidade de que cada vez mais cidadãos tenham uma arma de fogo dentro de casa tende a vulnerabilizar ainda mais a vida de mulheres em situação de violência”.

“Quando a gente olha a taxa de homicídios de mulheres no Brasil nos últimos cinco anos, vê que aumentou 1,7%. Dentro da residência aumentou 17,1%, enquanto fora da residência diminuiu 3,3%. Estamos vendo duas tendências diferentes”, aponta Daniel Cerqueira, pesquisador do Ipea e um dos organizadores do Atlas da Violência.

Samira Bueno, diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, aponta que o decreto que flexibilizou a posse de armas de fogo, editado em janeiro pelo presidente Jair Bolsonaro, precisa ser avaliado sob a ótima da violência contra as mulheres: “A mulher vive em situação de violência doméstica, mas quando esse agressor tem acesso à arma de fogo pode-se estar antecipando o feminicídio. Não é um crime passional. Isso não acontece do dia para noite. Essa mulher já é vítima de outras violências”, avalia Samira Bueno.

O texto justifica que, em 2017, mais de 221 mil mulheres no Brasil buscaram delegacias para registrar episódios de violência doméstica.

Assassinatos cresceram em todo país; mulheres negras são as maiores vítimas O aumento não foi só nos lares.

O Atlas alerta para um aumento geral de assassinatos contra mulheres em todo o país. De 2007 a 2017, a taxa nacional de de homicídios a cada 100 mil habitates cresceu 20,7% a nível nacional.

Segundo o Atlas, cerca de 13 mulheres foram assassinadas diariamente no Brasil somente em 2017. Naquele ano, foram 4.936 vítimas, o maior registrado desde 2007.

A taxa de homicídios de mulheres que não se declaram negras cresceu 1,7% entre 2007 e 2017; já as mortes de mulheres negras aumentaram em 29,9% a cada 100 mil habitantes. Isolando 2017, 66% das mulheres assassinadas no País foram negras.

Crescimento nos Estados

Em dez anos, os assassinatos de mulheres cresceram em 17 de 26 estados brasileiros. Proporcionalmente, estados do Nordeste registraram a maior alta. O Rio Grande do Norte registrou variação de 214,4% no número de mulheres mortas neste período. Logo após estão Ceará (176,9%) e Sergipe (107,0%). O cálculo é feito a partir do número de vítimas a cada 100 mil habitantes.

“Quando a gente olha a taxa de homicídios de mulheres no Brasil nos últimos cinco anos, aumentou 1,7%. A taxa de homicídios dentro da residência aumentou 17,1%, enquanto fora da residência diminuou 3,3%. Estamos vendo duas tendências diferentes”, aponta Daniel Cerqueira, pesquisador do Ipea e um dos organizadores do Atlas da Violência.

Samira Bueno, diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, aponta que o decreto que flexibilizou a posse de armas de fogo, editado em janeiro pelo presidente Jair Bolsonaro, precisa ter avaliado sob a ótima da violência contra as mulheres: “A mulher que vive em situação de violência doméstica, quando esse agressor tem acesso à arma de fogo, provavelmente estamos antecipando essa trajetória de feminicídio. Lembrando que o feminicídio não é um crime passional. Isso não acontece do dia para noite, essa mulher já é vítima’ de outras violências”, avalia Samira Bueno.

Os pesquisadores do Atlas também atentam sobre a falta de registros de homicídios de mulheres com o agravante de feminicídio, uma vez que a Lei do Feminicídio é de 2015 e ainda está entrando no dia a dia das autoridades.

Pesquisas internacionais apontam, no entanto, que a maioria das mortes violentas intencionais que ocorrem dentro das casas é cometida por conhecidos ou íntimos das vítimas. Portanto, a taxa de incidentes letais intencionais contra mulheres que ocorrem dentro de suas residências é um bom termômetro para medir o feminicídio.

Da redação
Rede Mulheres 

Postagens Relacionadas

“Não houve troca de tiros, meu filho foi executado pela PM”

Ricardo Andrade

Lauro de Freitas. O luto na artéria principal da cidade

Ricardo Andrade

Proibição imposta a rede Globo, no caso Marielle, expõe seletividade da justiça brasileira

Ricardo Andrade

Deixe Um Comentário

Este site usa cookies, para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia Mais...